Diabetes pode ser evitada com adoção de hábitos saudáveis

Sol Coelho, divulgação
Festival de teatro de bonecos de Joinville volta no formato online
13/08/2020
Estudantes contribuem para impulsionar empreendedorismo em Joinville e Manaus
31/08/2020

Fator de risco para a Covid-19, o diabetes não tem cura, porém pode ser controlado, dependendo de sua gravidade, ao se adotar atividade física regular e planejamento alimentar. Em alguns casos, é necessário o uso de insulina e/ou outros medicamentos para controlar a glicose. “Cuidados alimentares, adoção de bons hábitos, de maneira geral, e visita periódica a um especialista (endocrinologista), evitando as grandes oscilações glicêmicas, resultará como prevenção no desenvolvimento das complicações crônicas da doença”, assegura o endocrinologista James Hugo Grüdtner.

“Quanto à genética não temos como prevenir, porém fatores como sedentarismo, obesidade, tabagismo, dislipidemias e hipertensão arterial são agravantes que potencializam o descontrole metabólico glicêmico”, alerta.

De acordo com dados do Atlas de Diabetes da International Diabetes Federation (IDF) de 2019, existem cerca de 463 milhões de adultos com diabetes no mundo e a previsão é de que o número total de pessoas com diabetes aumente para 578 milhões em 2030 e, em 2045. Os números são alarmantes e chamam ainda mais atenção no contexto da Covid-19, pandemia que coloca pessoas com diabetes dentro do grupo de risco, se infectadas pelo novo coronavírus.

Conheça os tipos de diabetes

O pâncreas é um órgão intra abdominal que tem funções tanto endócrinas, com os conjuntos de células denominados Ilhotas de Langerhans, e exócrinas, por meio das enzimas gastrointestinais. A função endócrina tem como principal papel produzir insulina (células beta) e glucagon (células alfa). Durante a passagem da glicose pelos enterócitos gástricos no intestino delgado, existe a concomitante produção de um hormônio gastrointestinal denominado GLP1. Este hormônio estimula a produção e secreção de insulina, além de realizar a supressão da secreção do glucagon que, por sua vez, realiza a estimulação da neoglicogênese hepática, processo que libera glicose no sangue.

Devido a mutações ou fatores extrínsecos, em algumas pessoas, o sistema imunológico deixa de reconhecer e passa a atacar equivocadamente as células beta e/ou a própria insulina. Logo, pouca ou nenhuma insulina passa a ser produzida e liberada para o corpo. Como resultado, temos a elevação da glicemia no sangue, com consequente utilização das lipoproteínas, gerando um desequilíbrio cetoacidótico, denominado como cetoacidose diabética. Esta patologia é o Tipo 1 de diabetes, que concentra entre 5 e 10% do total de pessoas com a doença. De acordo com James, que integra o corpo clínico do Hospital Dona Helena, de Joinville (SC), o Tipo 1 aparece geralmente na infância ou adolescência. “Pode ser desencadeado por fatores ambientais, como infecções virais. Também pode advir de um quadro de estresse e trauma, ou ser um efeito colateral de outro tratamento médico (iatrogenia), devido à ação de imunossupressores biológicos”, detalha, lembrando que o fator genético pode também desencadear este tipo de diabetes, mas em menor grau.

Já o Tipo 2 aparece quando ocorre a redução da produção do hormônio GLP1 dos enterócitos (células epiteliais) associados ao aumento da resistência insulínica periférica, gerando a  descompensação ou elevação dos níveis glicêmicos no sangue. Cerca de 90% das pessoas com diabetes têm o Tipo 2, apresentando a maior prevalência em torno da quarta década de vida. “Neste caso, o fator hereditário, pela genética familiar, é o fator mais importante. A obesidade também pode ser um agente potencializador,  devido ao aumento da resistência insulínica periférica. O hipercortisolismo, desordem endócrina causada por níveis elevados de glicocorticóides, também pode provocar potencializar o Tipo 2”, frisa o especialista.

Além dos dois tipos de diabetes apontados, o médico também alerta para o diabetes gestacional, geralmente desencadeado após a 24ª semana de gravidez (início do 6º mês), por conta das mudanças recorrentes na gestação. O diabetes gestacional atinge cerca de 17% das gestantes, geralmente as que têm acima de 35 anos. Fatores como antecedente familiar com Tipo 2 de diabetes, até a primeira geração, ou com diabetes gestacional anterior, obesidade ou sobrepeso, e intolerância prévia à glicose podem aumentar as chances de se desenvolver este tipo de diabetes durante a gravidez.

Bons hábitos podem controlar a doença

De acordo com o endocrinologista, os principais sintomas de diabetes são poliúria (micção excessiva), polidipsia (sensação de sede excessiva), noctúria (micção noturna) e turvação visual pós-prandial (após refeição). A detecção e diagnóstico são feitos por meio de exames periódicos de glicemia ou por suspeita clínica. “As  lesões  provocadas de glicotoxicidade e pela glicosilação proteica  ocorrem quando temos  a  glicemia  superior a 200 mg/dl no sangue. Este processo é silencioso (assintomático), levando à modificação da microcirculação arterial  e,  posteriormente,  à  macrocirculação”, aponta.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.