Comércio, hotéis, empresas e cinemas são “amigáveis aos pets”

Joinville ouve e respira os vários sons do piano a partir desta quinta-feira
16/09/2019
Musical de Christiane Torloni como Maria Callas passa por Joinville em outubro
27/09/2019

Não se espante se, circulando pelas redondezas do Garten Shopping no dia 6 de outubro, você der de cara com cachorros correndo de um lado para o outro. Trata-se da 1ª Dog Run, mais uma iniciativa para movimentar essa peculiar freguesia que é aceita desde que o Garten se tornou o primeiro centro de compras joinvilense preparado para receber animais de estimação – ou “pet friendly” –, em dezembro de 2017. A novidade, que demandou alguns ajustes estruturais e regras claras para evitar contratempos, foi um tremendo sucesso. Por mês, o shopping distribui pelo menos 250 kits com saquinhos para o tutor recolher dejetos se houver algum incidente de percurso, mas estima que o número de frequentadores de quatro patas é ainda maior. Só para bater foto com o Papai Noel, no ano passado, vieram 150 cãezinhos. “Hoje, o animal faz parte da família. Criamos a oportunidade de as pessoas virem passear com seus pets em um lugar confortável, sem problema de temperatura e limpo”, pontua Michelline Zambon, gerente de marketing do Garten, que não tem dúvidas quanto à aceitação quase absoluta por parte do público: segundo ela, 98% são favoráveis.

Há restrições para o acesso de mascotes, como a praça da alimentação, mas eles podem entrar normalmente em várias lojas – repare nos adesivos afixados às vitrines. Nas demais, também podem, se carregados no colo. A administração do Garten já flagrou cenas curiosas, como um cliente andando despreocupado com seu coelho… na coleira e uma mulher entrando com um rato pendurado no ombro. Quem está por ali uma vez por semana, no mínimo, é a advogada Giselda Cadaval, “mãe” de dois buldogues, o Boss (2 anos) e a Lolla (5 meses). Como mora em apartamento, o shopping é o lugar ideal para zanzar com a dupla – a caçula entrou no circuito faz pouco, concluída a bateria regular de vacinas. “O Boss foi sempre muito bem recebido. Ele ama as pessoas, em especial, as crianças. É nosso momento de lazer”, relata, satisfeita por testemunhar pets quebrando paradigmas: “Nós, que amamos fazer tudo com eles, ganhamos espaço em shopping-centers, hotéis, restaurantes e bares. A cultura está mudando, e precisa de tutores responsáveis para que isso ocorra.”

O Shopping Mueller aderiu ao modelo em julho de 2018, e por ali não é raro ver cachorrões de grande porte – até cães de guarda são permitidos, conduzidos com focinheira e guia curta de contenção com enforcador. “Estamos de portas abertas, todos são bem-vindos”, convida a superintendente Aurea Pirmann. “Como Joinville é chuvosa, o shopping acabou se tornando um local onde os bichinhos podem se exercitar com seus tutores. De forma saudável, os pets devem ser incluídos nos momentos dedicados ao lazer”, sublinha. Militante da causa animal, a vereadora Ana Rita Hermes afirma que não tem volta: “Espaços pet friendly chegaram para ficar. Muita gente enxerga o animal de estimação como filho e, quando passa uma tarde inteira fora de casa, por exemplo, é normal que queira levá-lo junto”, observa.

Recentemente, até um cinema de Porto Alegre promoveu sessão especial para a cachorrada, e tinha que ser de um filme sobre eles, “A Vida Secreta dos Bichos – 2”. Tapetes higiênicos e bebedouros espalhados pela sala para melhor acomodar huskys, labradores e cãezinhos das mais diversas raças que levaram seus donos ao cinema. “Ambientes que recebem animais de estimação são cada vez mais valorizados por frequentadores e possíveis clientes”, é o toque de um blog de arquitetura da Portobello, fabricante catarinense de revestimentos cerâmicos, que, claro, adota a prática em suas lojas. “Além de aumentar a regularidade dos visitantes, já que não é preciso deixar o pet em casa para dar um passeio, esses empreendimentos são sinônimo de inovação e despertam curiosidade.”

Outra categoria que, há algum tempo, busca se adequar à onda pet é a hotelaria. Pudera: mais de metade dos 1.100 viajantes ouvidos em pesquisa do site TripAdvisor revelaram que só ficam em hotel pet friendly. Em Joinville, segundo o sindicato que reúne estabelecimentos do setor, 19 dos 50 hotéis associados aceitam animais de pequeno porte como mini-hóspedes. “Ser pet friendly, na hotelaria, requer uma estrutura para abrigar cães e gatos dos hóspedes e oferecer alguns serviços destinados aos pets”, resume Holga Helize Farias, do departamento de marketing da Cadeia de Hotéis Associados (CHA), que administra o Holz Hotel e o Trocadero. “Nossos clientes procuram esse serviço com frequência, mostrando que a preocupação, o carinho e o bem-estar do animal de estimação são prioridades na escolha da hospedagem.”

Pet friendly desde 2014, o Ibis percebeu a alta demanda de hóspedes que condicionavam a reserva à aceitação de seus companheirinhos de viagem. “Aumenta a satisfação dos clientes”, percebe Juliana Gurkewicz, da área de atendimento do Ibis. Giselda, lembra, a mãezona dos buldoguinhos franceses que anda sempre com eles no Garten Shopping, faz parte desse perfil de turista. Já viajou com o Boss para Curitiba, São Paulo, Blumenau, Florianópolis e por várias praias catarinenses. “Foi sempre uma boa experiência”, comemora.

Ainda incipiente, uma novidade é a aceitação de animais de estimação no local de trabalho. Pesquisa divulgada em maio deste ano, feita pela plataforma online DogHero com mais de 700 pessoas, indicava que cerca de 90% gostariam de trabalhar em um ambiente pet friendly ou aprovariam a possibilidade de levar seu cão para a empresa quando quisessem. Segundo o levantamento, 86% se sentiriam tristes e 66% preocupados por deixar o animal em casa por causa do emprego. Ok, a DogHero é um serviço voltado para donos de cachorros e a amostra pode ser parcial, mas há sinais de que esse espaço também vai ser ocupado pela turma do latido. A CredPago, empresa paranaense de fiança locatícia que tem filial com 20 funcionários em Joinville, adotou um labrador chocolate de 3 anos, da redatora publicitária Aline de Melo, como mascote da casa, e batizou o rapaz de “Credinho”. “Aqui, todo mundo ama cachorros, é algo que cativa e faz as pessoas conversarem e interagirem mais”, conta Aline. Já a Motoboy.com – ferramenta online de busca de motoboys, também joinvilense – orgulha-se de ser amigável aos pets como meio para proporcionar um ambiente descontraído e acolhedor para todo o time. “Como passamos muito tempo no escritório, é importante que todos se sintam bem nesse ambiente. Se o pet ajuda nisso, melhor para todos”, aponta o confundador Rafael Perboni. O mascote dali é um simpático pug chamado Romero.

Mais sobre a Dog Run

. Dia 6 de outubro, às 9h, em frente ao Garten Shopping. Inscrições e detalhes aqui: number.esp.br)

. O evento consiste em duas modalidades, corrida e caminhada com cachorro.

. Na caminhada, pode participar uma pessoa mais o pet ou duas pessoas mais o pet, em um percurso de 1 a 3 quilômetros.

. Já na corrida, participam apenas um atleta e o cachorro, em um percurso de 3 quilômetros.

. Ao se inscrever, os atletas ganham kits com camiseta alusiva do evento, bandana para o cão, número e medalha de participação e kit pet.

. O evento conta com o patrocínio da Vet Plus e Viplan e apoio da Rádio 89 FM. e do Projeto Vira Lata.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.