Com o dobro do tamanho, 2º Festival de Corais de Joinville se inicia nesta sexta

Projeto de ponte que liga zonas Sul e Leste de Joinville começa a sair do papel
07/08/2019
Dez programas de primeira em Joinville para curtir no seu final de semana
09/08/2019

A busca do Festival de Corais de Joinville para se tornar o maior do gênero no Brasil começa nesta sexta-feira (9), quando será dada a largada em sua segunda edição. Na estreia, em 2018, ele já era o maior de Santa Catarina, mas agora o evento dobrou de tamanho: de cinco dias, pulou para dez, e o número de corais saltou de 22 para 44, num total de 1.350 participantes se apresentando em vários palcos da cidade até o dia 18 de agosto.


O aumento expressivo deve-se, na opinião do diretor geral e idealizador do evento, Guilherme Gassenferth, ao sucesso da edição anterior e da busca dos corais por integração com outros grupos e por demonstrar o seu trabalho. Segundo Guilherme, “há um desejo forte no coração de cada coralista de cantar para uma plateia atenta e de conhecer o trabalho dos outros coros”.

Além do maior número de dias e de corais participantes, o festival se espalha pela cidade. Além das apresentações na Sociedade Harmonia-Lyra, palco das noites competitivas e dos principais espetáculos, haverá concertos em locais públicos, empresas, no Hospital Infantil e no CEU do aventureiro, onde começa a programação nesta sexta-feira.
O evento ainda ganha novas atrações, como a palestra do renomado maestro italiano Massimiliano Carraro (foto abaixo) sobre como formar coros de alto nível artístico. Ele já foi regente do coro do teatro Alla Scala de Milão, o principal da Europa.


As oficinas prosseguem, mas em maior número. Agora são três: sobre regência coral, com Mara Campos; sobre expressão cênica, com Reynaldo Puebla; e sobre afinação, com Juvenal de Moura. As inscrições podem ser feitas no site do festival.


Em relação a concertos principais, o destaque vai para a apresentação de índios de uma aldeia guarani de Araquari, no dia 15, na Lyra. Eles serão acompanhados do campeão mundial de projeções mapeadas, o joinvilense VJ Vigas, que usará um projetor para mostrar imagens associadas à cultura indígena.No dia 16, a noite de gala será conduzida pelo Atmen Chor, de Joinville, com o espetáculo Brasil em Cantos, e no dia 18, o encerramento fica por conta do Vocal Masculino Ottava Bassa, de Curitiba, campeão do festival em 2018. Mais uma vez, corais dos três Estados do Sul irão em busca de uma premiação de R$ 6 mil, além do convite para se apresentar no festival do ano que vem.


Toda a programação está no site oficial do evento (AQUI). Nele também constam informações sobre ingressos para os concertos especiais e as mostras competitivas e não competitivas, que podem ser comprados pelo site, na Loja Arcobaleno (Rua General Câmara, 483, Bom Retiro) e, a partir de terça-feira, na Livraria A Página (rua Dr. João Colin, esquina com Rua Lages)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *